Heráldica Brasil

Heráldica Brasileira, Brasões e Símbolos

Tag: college of arms

Boletins do College of Arms, 56 e 57

College of Arms, Londres. Foto por Georgia Evelyn Stants

O College of Arms, Autoridade Heráldica da Inglaterra, do País de Gales e de boa parte da Commonwealth, produz um boletim trimestral com notícias sobre novas armas concedidas. Noticia ainda palestras oferecidas por seus Reis de Armas e faz visitas aos arquivos da instituição.

Esta Newsletter é encaminhada por e-mail para todos que subscrevam, no entanto também pode ser acessada no site do College. Tenho o hábito de ver os meus e-mails sempre de manhã cedo, e para isso, esta newsletter é muito boa. Sua periodicidade me dá, afinal, tempo suficiente para limpar a minha caixa de entrada antes de recebê-la. Desta vez, a correria de fim de ano me impediu de publicar a edição 56 antes. As edições 54 e 55 estão disponíveis também.

Boletim do College of Arms, 56

A newsletter de outubro trouxe como destaque o papel do College na proclamação da paz após o Tratado de Versalhes. Há ainda a promoção de uma “breve exposição” sobre a Primeira Guerra, feita em outra página do site. Esta que apresenta brasões concedidos na época, assim como documentos relativos ao trabalho dos arautos britânicos durante a guerra.

Boletim do College of Arms, 57

Armas do 1º Visconde Allenby, marechal de campo Edmund Allenby (1861-1936). Os suportes, um cavalo e um camelo, simbolizam aspectos de sua carreira militar: ele comandou a divisão de cavalaria da Força Expedicionária Britânica na Frente Ocidental, depois de 1917 foi Comandante-em-Chefe da Força Expedicionária Egípcia na Palestina.

O segundo boletim chegou hoje de manhã bem cedo, e traz um caso bem curioso. Um diplomata britânico na Pérsia, Sir Harford Jones, então recentemente enobrecido como Baronete Boultibrook, recebe uma incomum condecoração. Nada menos que o direito de usar as armas do Império Persa! Certamente uma história bem interessante. A qual podem acompanhar seguindo o link abaixo:

Boletim do College of Arms, 57

Para além disso, as usuais novas concessões heráldicas, sempre executadas de forma belíssima, e sempre renovando. Desta vez, há umas armas com barras de alumínio e outras com um abacaxi no timbre. O College of Arms é a prova viva de que a heráldica não é uma ciência morta. Aliás, está vivíssima e fazendo-se cada dia mais moderna. Há ainda uma pequena nota in memoriam ao falecimento de um antigo Rei de Armas da Jarreteira. Sir Conrad Swan, que faleceu no início do mês, foi lembrado pelo boletim.

Boletim do College of Arms, 55

O College of Arms, Autoridade Heráldica da Inglaterra, do País de Gales e de boa parte da Commonwealth (Austrália e Nova Zelândia, por exemplo), produz um boletim trimestral com notícias sobre novas armas concedidas ou a conceder, palestras oferecidas por seus Reis de Armas e visitas aos arquivos da instituição.

 

Esta Newsletter é encaminhada por e-mail para todos que subscrevam, e também pode ser acessada no site do College. Tenho o hábito de ver os meus e-mails sempre de manhã cedo, e para isso, esta newsletter é muito boa, afinal sua periodicidade me dá tempo suficiente para limpar a minha caixa de entrada antes de recebê-lo. Sem mais delongas, ei-lo.

Boletim do College of Arms, 55

Eu pensei que nesta edição, que chegou ao meu e-mail em fins de julho, teríamos mais informações sobre as armas da Duquesa de Sussex, Meghan Markle, as quais foram adiantadas aqui no blog há algum tempo atrás, mas não. A Heráldica Inglesa segue completamente alheia ao mundo exterior e aos acontecimentos de “destaque momentâneo” na Inglaterra.

O texto inclui, como sempre, alguns desenhos de armas, informações sobre os afazeres dos membros do College, como o comparecimento do Garter King of Arms nos eventos da Ordem da Liga (ou Ordem da Jarreteira) no último mês de Junho.

Boletim do College of Arms, 54

Fachada do College of Arms, Londres.

College of Arms, Londres. Foto por Georgia Evelyn Stants

O College of Arms, Autoridade Heráldica da Inglaterra, do País de Gales e de boa parte da Commonwealth (Austrália e Nova Zelândia, por exemplo), produz um boletim trimestral com notícias sobre novas armas concedidas ou a conceder, palestras oferecidas por seus Reis de Armas e visitas aos arquivos da instituição. Esta Newsletter é encaminhada por e-mail para todos que subscrevam, e também pode ser acessada no site do College.

Estou tentando cultivar o hábito de ver os meus e-mails mais frequentemente, e para isso, esta newsletter é muito boa, afinal sua periodicidade me dá tempo suficiente para limpar a minha caixa de entrada antes de recebê-lo. Sem mais delongas, ei-lo.

Boletim do College of Arms, 54

Nesta edição, que chegou ao meu e-mail no fim de Abril, constam algumas notas bem interessantes. A primeira seção traz as armas da St. Edward’s School, uma das entidades que faz parte da Universidade de Oxford. Chamou a atenção o fato de os paquifes não serem das cores das armas, o que me causou alguma estranheza. Luís Marques Poliano, em seu Heráldica, nos diz:

Os paquifes são tiras de couro recortadas e coloridas com os esmaltes principais do escudo, caindo do timbre sobre os lados, tendo origem nas “capelinas” que, durante a Idade Média, eram usadas sovre os elmos para evitar o seu excessivo aquecimento pelo sol.

Vera Lúcia Bottrel Tostes (1983, p. 117) corrobora o primeiro, em seu Princípios de Heráldica.

[Os paquifes] No entanto, devem estar nos esmaltes principais do escudo.

E indo mais adiante, Alejandro de Armengol y Pereira (1933, p. 110), no seu Heráldica diz o mesmo, e parece querer reforçá-lo, pois assim o faz três vezes:

“Los lambrequines representam trozos de tela, cortados en forma de hojas, de los colores y metales que entran en la composición del escudo. […] La forma de trozos de tela cortados y volateando, siempre de los mismos esmaltes del escudo, es característica en los lambrequines. Se dejan en forma de plumajes para los nuevos nobles, siempre de los esmaltes del escudo.

Realidades geográficas explicam diferenças estéticas

Entretanto, a heráldica é uma arte, e como arte, a grande chave para compreender isto é recordar que a estética difere de lugar para lugar. Ou seja, o que se faz na heráldica portuguesa não necessariamente se fará na heráldica inglesa. Para comprovar isto, fui em busca de referências em inglês. Charles Boutell (1908, p.136), heraldista inglês do século XIX, descreve os paquifes (em inglês, mantling) da seguinte forma em seu Heraldry:

Mantling, or Lambrequin. A small mantle of some rich materials, attached to the knightly basinet or helm, and worn hanging down. It is usually represented with jagged edges, to represent the cuts to which it would be exposed in actual battle.

Placa de Sir Hugh Stafford, Lord Bourchier. c. 1421

Desta vez não há nenhuma referência a cores. Diz-se apenas “um pequeno manto de ricos materiais.” Percebe-se pois que os mantos são questão de estilo na heráldica inglesa. O que eventualmente eu pude confirmar em Heraldry for Craftsmen and Designers, onde William St. John Hope nos informa que:

 

 

 

 

The usual colour for the mantling, for a long time, has been red, and its lining of ermine or white fur, but there is ample precedence for a difference of treatment, as may be seen in that rich collection of ancient heraldic art, the stall-plates at Windsor.

“A cor usual para os paquifes, por um longo tempo, foi o vermelho, e seu forro, de arminhos ou de peles brancas, mas há ampla precedência para diferenças no tratamento, como pode ser visto naquela rica coleção de placas de cavaleiro em Windsor” (tradução nossa)

Assim, faz sentido considerarmos que, especialmente na era áurea da heráldica inglesa, os paquifes eram vistos como outra peça de indumentária, não precisando combinar com as cores do brasão em si. Enfim, o brasão do St. Edward’s College está conforme às regras mais corretas para a heráldica inglesa.

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén